Conflito em Gaza já dura 1 mês e mulheres e crianças são as principais vítimas

Cerca de 2.326 mulheres e 3.760 crianças foram mortas na Faixa de Gaza
Por Redação

Foto: Unicef/Eyad El BabaCidade de Gaza bombardeada durante a noite
Cidade de Gaza bombardeada durante a noite

As mulheres, as crianças e os recém-nascidos em Gaza estão a suportar desproporcionalmente o fardo da escalada das hostilidades no território palestiniano ocupado, tanto como vítimas como na redução do acesso aos serviços de saúde, alertam o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a Organização das Nações Unidas para a Assistência e Obras. Agência para os Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA), a Agência das Nações Unidas para a Saúde Sexual e Reprodutiva (UNFPA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Até 3 de Novembro, de acordo com dados do Ministério da Saúde, 2.326 mulheres e 3.760 crianças foram mortas na Faixa de Gaza, representando 67% de todas as vítimas, enquanto outros milhares ficaram feridos. Isto significa que 420 crianças morrem ou ficam feridas todos os dias, algumas delas com apenas alguns meses de idade.

Os bombardeamentos, as instalações de saúde danificadas ou não funcionais, os níveis massivos de deslocações, o colapso do abastecimento de água e electricidade, bem como o acesso restrito a alimentos e medicamentos, estão a perturbar gravemente os serviços de saúde materna, neonatal e infantil. Estima-se que existam 50 000 mulheres grávidas em Gaza, e mais de 180 dão à luz todos os dias. Quinze por cento delas provavelmente sofrerão complicações relacionadas à gravidez ou ao parto e precisarão de cuidados médicos adicionais.

Estas mulheres não conseguem aceder aos serviços obstétricos de emergência de que necessitam para dar à luz com segurança e cuidar dos seus recém-nascidos. Com 14 hospitais e 45 centros de cuidados de saúde primários fechados, algumas mulheres têm de dar à luz em abrigos, nas suas casas, nas ruas no meio dos escombros ou em unidades de saúde sobrecarregadas, onde o saneamento está a piorar e o risco de infecção e complicações médicas está em ascensão. As instalações de saúde também estão sob ataque – no dia 1 de Novembro, o Hospital Al Hilo, uma maternidade crucial, foi bombardeado.

Prevê-se que as mortes maternas aumentem devido à falta de acesso a cuidados adequados. O custo psicológico das hostilidades também tem consequências directas – e por vezes mortais – na saúde reprodutiva, incluindo um aumento de abortos espontâneos induzidos por stress, nados-mortos e nascimentos prematuros.

Antes da escalada, a desnutrição já era elevada entre as mulheres grávidas, com impactos na sobrevivência e no desenvolvimento infantil. À medida que o acesso aos alimentos e à água piora, as mães enfrentam dificuldades para alimentar e cuidar das suas famílias, aumentando os riscos de desnutrição, doença e morte.

A vida dos recém-nascidos também está por um fio. Se os hospitais ficarem sem combustível, as vidas de cerca de 130 bebés prematuros que dependem de serviços neonatais e de cuidados intensivos ficarão ameaçadas, uma vez que as incubadoras e outros equipamentos médicos deixarão de funcionar.

Mais de metade da população de Gaza está agora abrigada em instalações da UNRWA em condições terríveis, com água e alimentos inadequados, o que está a causar fome e subnutrição, desidratação e propagação de doenças transmitidas pela água. De acordo com avaliações iniciais da UNRWA, 4.600 mulheres grávidas deslocadas e cerca de 380 recém-nascidos que vivem nestas instalações necessitam de cuidados médicos. Já foram notificados mais de 22 500 casos de infecções respiratórias agudas, juntamente com 12 000 casos de diarreia, o que é particularmente preocupante dadas as elevadas taxas de desnutrição.

Apesar da falta de acesso sustentado e seguro, as agências da ONU enviaram medicamentos e equipamentos vitais para Gaza, incluindo suprimentos para recém-nascidos e cuidados de saúde reprodutiva. Mas é necessário muito mais para satisfazer as imensas necessidades dos civis, incluindo mulheres grávidas, crianças e recém-nascidos. As agências humanitárias necessitam urgentemente de acesso sustentado e seguro para trazer mais medicamentos, alimentos, água e combustível para Gaza. Nenhum combustível entrou na Faixa de Gaza desde 7 de Outubro. As agências humanitárias devem receber combustível imediatamente para poderem continuar a apoiar hospitais, estações de tratamento de água e padarias.

É necessária uma pausa humanitária imediata para aliviar o sofrimento e evitar que uma situação desesperadora se torne catastrófica.

Todas as partes no conflito devem cumprir as suas obrigações ao abrigo do direito humanitário internacional de proteger os civis e as infra-estruturas civis, incluindo os cuidados de saúde. Todos os civis, incluindo os reféns actualmente detidos em Gaza, têm direito a cuidados de saúde. Todos os reféns devem ser libertados sem demora ou condições.

Em particular, todas as partes devem proteger as crianças contra danos e proporcionar-lhes a protecção especial a que têm direito ao abrigo das leis humanitárias internacionais e dos direitos humanos

Saiba mais sobre: